N. 19 – Belém/PA - Novembro/Dezembro - 2014

As comerciárias e a representação sindical *

No artigo As Comerciárias e a Representação Sindical: gênero, histórias, interesses, Eneida Canêdo Guimarães dos Santos** analisa a trajetória e a história das lideranças do Sindicato dos Empregados no Comércio do Estado do Pará – SEC/PA (gestão 2006-2010), com ênfase para as/os ocupantes de cargos de direção, mostrando de que forma são feitas as articulações das lideranças femininas entre a esfera pública (sindicato) e a manutenção de suas tarefas nos espaços privados, considerando o lar, a profissão e a maternidade.

No percurso dessa investigação, examinando a trajetória das mulheres líderes sindicalistas, a pesquisadora constatou que elas, embora compatibilizem o espaço público e o privado de forma articulada conciliando harmonicamente a maternidade, o lar e as atividades do trabalho, como representantes da comerciária mãe e trabalhadora não atuam nas situações coincidentes, quanto a uma ação sindical para enfrentamento da classe patronal de modo a garantir às sindicalizadas a manutenção do emprego e o direito de serem mãe.

Segundo a cientista social, outra evidência percebida nos depoimentos é a de que, embora a mudança na estrutura sindical com a presença das mulheres indique uma “cobrança” a mais na representação coletiva que assumem, a tendência é o crescimento gradual do número de comerciárias sindicalizadas em posição de mando, visto que elas constroem o exercício do poder com capacidade, desmistificando, dessa forma, o imaginário de que os espaços de tomada de decisão estão reservados ao sexo masculino.

Nessa perspectiva, conclui a pesquisadora que, se as mulheres dirigentes dialogassem mais com suas representadas e inserissem na pauta sindical as diferenças entre os gêneros, isso poderia gerar demandas mobilizadoras de interesse feminino, assumidas pelo SEC/PA, ensejando melhores condições de trabalho e transformações sociais que contemplassem, entre outros, processos de produção de políticas e avaliações independentes, tendo em vista a responsabilização de questões pouco notadas e/ou dissimuladas.

*- Texto adaptado do artigo As Comerciárias e a Representação Sindical: gênero - histórias – interesses, de Eneida Canêdo Guimarães dos Santos, publicado na coletânea Mulheres Amazônidas: imagens-cenários-histórias( Ed. GEPEM- Coleção Mulheres e Gênero na Amazônia, v. 3).

**- Mestre em Ciências Sociais (UFPA). Membro da Linha de Pesquisa Mulher e Participação Política (GEPEM/UFPA).