N. 19 – Belém/PA - Novembro/Dezembro - 2014

Seção: Autoria Feminina na História Literária do Pará

Eunice Ferreira dos Santos

 

A Mulher-Menina e o Rio


Nesta edição do Iaras, ao sabor da mágica presença do rio Amazonas e das comemorações pelos 18 anos do GEPEM,  esta seção é dedicada à patrona do grupo: ENEIDA de MORAES.

 

O cenário era de lua clara. A pororoca anunciava-se ao longe com ensurdecedor rumor de mundos rolando. Diante daquelas águas barrentas banhando a cidade do Guajará, a menina vislumbrou Iaras e viu sair botos para seduzir as mulheres.

Ali, muito cedo, nasceu o primeiro amor: o Amazonas. E ela não escondia a paixão que tinha por ele. Envolto nessa mágica ternura, o rio embalou os primeiros sonhos dela, o primeiro desejo poético, a primeira ambição rítmica.

O rio e a menina conheciam a audácia, a bravura, as manhas e artimanhas um do outro. Para ela, ficar longe das águas era como olhar silenciosa e pacientemente o chão. Com ele, aprendeu manejar com firmeza os jacumãs. E esse encantamento a fez sentir um por um os abraços-afluentes do Amazonas. Alguns de águas tão verdes como os olhos dela.

Mas, ele também era amado por Nonhon, a virgem que guardava em si os tesouros da terra. Louca de paixão, ela o beijou na boca. A carícia o irritou porque não a amava. Da fúria, surgiu a pororoca e ela foi transformada em ilha: a de Marajó. E o corpo de Nonhon feito ilha foi enfeitado com madrugadas sangrentas.

E assim, quando Eneida precisou partir em busca de Aruanda, a terra da liberdade, viajou pelas lágrimas do rio, numa noite com pinceladas de tragédia.

Muitas luas se passaram. Muitas aluviões. Um dia, a mulher-menina voltou de Aruanda e de outros caminhos da terra. E reencontrou o rio. E ele, embora inclementemente furioso, não apagou em si as recordações do primeiro amor: ENEIDA DE MORAES.

- Eunice Ferreira dos Santos é Vice-Coordenadora do GEPEM e Doutora em Letras, área de concentração Literatura Comparada.

- Texto adaptado da crônica Ouçam o Ruído dos Jacumãs. In: Eneida. Cão da Madrugada, 1957, p. 14.

- Sobre a vida e obra de Eneida, escritora e jornalista paraense, consultar a biografia intelectual Eneida: militância e memória ( SANTOS, Eunice Ferreira dos. Belém: Editora GEPEM, 2009).

- Para acesso ao acervo literário de Eneida, contatar: (91) 3201-8215; 3228-3924; 8158-7129 ou Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ; Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ; Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.