N. 19 – Belém/PA - Novembro/Dezembro - 2014

GEPEM homenageia primeira presidenta do IHGP

Vista parcial da sessão de homenagem à presidenta do IHGP,
Anaiza Vergolino Henry (sentada - 1º. plano à esquerda).

Em meio às comemorações dos 17 anos de fundação do GEPEM, aconteceu a sessão de homenagem à Anaiza Vergolino Henry – primeira mulher presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Pará (IHGP), em 111 anos de presença dessa entidade no espaço local. Ao referir a importância do evento, a Dra. Maria Luzia Álvares, coordenadora do GEPEM, fez o seguinte pronunciamento de saudação à homenageada:

“Colega em dois tempos – na UFPA e no IHGP – Anaiza projetou-se no trato com a organização do nosso silogeu e por seu mérito de persistência não só na administração dos bens dessa casa, mas no compromisso de mostrar que os associados e associadas desse silogeu tinham muitas coisas para falar a um público mais carente, como alunos das escolas etc., marcou sua presença junto aos seus colegas dando não só o seus momentos de lazer, mas suas próprias finanças para sanear a instituição.

Por suas ousadias, por seu trabalho, por sua persistência em dar um novo ânimo àquela casa, ao lado de sua equipe de associados/as, Anaiza sem dúvida foi o nome que aflorou para ser candidata à presidência do IHGP. E isso foi feito. A eleição de uma mulher em 111 anos de presença masculina revela-se sintomático de que hoje a sociedade descobriu o que sempre fizemos: que somos capazes de ser quase tudo, sempre com outra dinâmica para projetar nossa maneira de trabalhar.

Neste aniversário de quase-maturidade (para o ano completamos 18 anos) do GEPEM, é lógico que devemos brindar a maturidade da sociedade que teve que conviver com os avanços das mulheres. E para isso, outorgamos à Profa. Anaiza Vergolino Henry uma homenagem singela de quem tem batalhado para mostrar quem somos, para onde vamos, o que queremos.

Gostaríamos de entregar, neste momento, uma plaqueta de ouro ou de prata como registro dessa homenagem, mas, Profa Anaiza, como o IHGP, carecemos de recursos, então a plaqueta é simbólica, saída de cada coração das associadas do GEPEM que vieram até aqui brindá-la.

Profa. Anaiza Vergolino Henry! Presente!

Associadas do GEPEM! Presente!”