N. 19 – Belém/PA - Novembro/Dezembro - 2014

Seção: Autoria Feminina na História Literária do Pará

Eunice Ferreira dos Santos

 

Pesquisas sobre os percursos literários de escritoras paraenses, realizadas no âmbito do GEPEM, evidenciam a existência de um potencial acervo autoral publicado em livros e periódicos, tanto em nível local quanto nacional. Acerca dessa expressiva produção, entretanto, há escassos registros na história literária do Pará—o que, de certa forma, tem dificultado estudos sobre esse legado cultural e a circulação das obras nos espaços de formação de leitores/as, sobretudo, nas instâncias universitária e escolar.

É nesta constatação que se fundamentam a finalidade e os objetivos da seção Autoria Feminina na História Literária do Pará, pretendendo ser um espaço de divulgação, interlocução e formulação de saberes sobre a singularidade dessa escritura no contexto amazônico. Nesse sentido, em cada edição do Iaras serão incluídas referências ao perfil intelectual, à poesia e à prosa ficcional  de três escritoras, dentre as catalogadas no acervo da CASAEPA/GEPEM*.

Escritoras Paraenses: perfil de vida e obra

Aline de Mello Brandão

Nasceu em Belém (1947). Poeta, médica (área de neurologia) e professora universitária. Em 1988, recebeu o prêmio AMES pelo trabalho  Saga do Sumano: uma história amazônica- roteiro educativo sobre diabetes. Além de livros, publicou também poemas ( alguns foram musicalizados) em jornais e revistas nacionais: A Província do Pará, O Liberal, O Diário do Pará, Jornal do Sindicato dos Médicos do Pará, Jornal da Sociedade Médico-Cirúrgica do Pará, Suplemento Cultural do Diário Oficial do Estado do Pará, Cadernos de Cultura da Semec (Belém), Revista Argumento (Fundação Antônio Carvalho-PA).

A poética de Aline Brandão caracteriza-se por evocações dolorosas e explicações transcendentais sobre o sofrimento. A exemplo, os livros de poemas: Cantiga Geral de Amor (1984 - com o nome de Aline Carreira); Viola d’Água (1986); As Mãos do Tempo (1989).

Heliana  Barriga

Nasceu em Castanhal/PA (1950). É engenheira agrônoma e mestre em Genética e Melhoramento de Plantas (Escola Superior de Agricultura- Luiz de Queiroz/SP). O primeiro livro, Abelha Abelhuda, foi publicado em 1985. Depois vieram: A Anta Antônia, Minha Historinha, Perereca Sapeca e outros, que formam a coletânea de dezoito obras publicadas, numa tiragem de mais de 150.000 exemplares. A partir de 1997, Heliana Barriga tem se dedicado, também, à composição de músicas infantis, oficinas literárias para educadores e estudantes, performances poéticas e projetos culturais desenvolvidos em escolas municipais. Além disso, participa de atividades ligadas à Associação de Contadores de Histórias, Escritores e Ilustradores do Pará.; Associação Grupo de Cultura Regional Iaçá;  Malta de Poetas Folhas e Ervas; e da ONG Mala sem Fundo - organização patrocinadora dos projetos culturais da escritora,  voltados para crianças e adolescentes.

Abelha Abelhuda (1985) é um livro de conto infantil largamente teatralizado em performances locais e nacionais. O conto tematiza a história de uma abelha diferente das outras: usava óculos, tinha nariz comprido e gostava tanto das flores que não fazia mel para não importuná-las. Sendo por isso expulsa... leia mais da colmeia, foi morar em um canteiro onde, certa manhã, acordou transformada em flor.

Sultana Levy Rosenblatt

Nasceu em Belém do Pará (1912) e faleceu nos Estados Unidos. Estreou na literatura em 1951 com o romance Uma grande Mancha de Sol. Depois vieram: Chavito Prieto; Barracão; Reviravolta; As Virgens de Ipujucama; No Pará-Parô. Além de romances, escreveu contos, ensaios, artigos, crônicas e peças teatrais. Boa parte da obra da escritora retrata histórias fantásticas do imaginário amazônico.

O romance As Virgens de Ipujucama, publicado em 1978,  foi esboçado em 1948 com o título “A Arca de Carlota Joaquina”. Em narrativa linear e o diálogo indireto livre, conta a história de uma jovem nascida em Ipujucama- cidade interiorana da Amazônia onde o máximo valor da mulher era ser virgem- e que vai morar no Rio de Janeiro em busca de um sonho.. Este gesto transgressor envolve a personagem em muitas peripécias conflituosas, fazendo-a retornar à Ipujucama.

Eunice Ferreira dos Santos é Vice-Coordenadora do GEPEM e Doutora em Letras, área de concentração Literatura Comparada.

Para acesso ao acervo literário de Eneida, contatar: (91) 3201-8215; 3228-3924; 8158-7129 ou Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ; Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ; Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.